Make your own free website on Tripod.com
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.

 

 REVELAÇÃO

          ÍNDICE

INTRODUÇÃO - Cadastro

1 - O Apocalipse, um Livro Aberto

2 - O Personagem Central do Apocalipse

3 - O Grande Traidor Desmascarado

4 - As Boas Novas do Apocalipse

5 - As Sete cartas do Apocalipse

6 - O Apocalipse Diz que Jesus Voltará

7 - A Prisão de Satanás no Abismo

8 - As  Promessas do Apocalipse

9 - Os Sete Selos do Apocalipse

10 - O Selo de D-US no Apocalipse

11 - Por que Se Observa o Domingo

12 - O Apocalipse Revela o Segredo da Morte

13 - O Apocalipse Fala de um Santuário

14 - Chegou a Hora do Seu Juízo

15 - A Profecia que Revela a Hora do Juízo

16 - O Apocalipse, Visões e Profetas

17 - Uma Mulher Vestida de Sol

18 - A Besta do Apocalipse 13 e o 666

19 - A Marca da Besta e a União das Igrejas

20 - Quando o D-US de Amor Castiga

21 - O Ministério da Grande Meretriz

22 - Quem Habitará na Santa Cidade

23 - As Duas Testemun-has e os 3 Anjos

24 - O Soar da Sétima Trombeta

25 - ...e Têm a Fé de Jesus - I

26 - ...e Têm a Fé de Jesus - II

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Curso: As Revelações do Apocalipse - I

LIÇÃO 15

A Profecia que Revela a Hora do Juízo

Em nosso estudo anterior vimos que a cerimônia da purificação do santuário terrestre era símbolo do juízo de selamento (dos salvos) anterior à segunda vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. Apocalipse 14:6, 7 nos revela dois fatos: (a) que há uma hora determinada para o início do juízo no Céu, (b) que haveria na Terra aqueles que a anunciariam.

         Os livros de Daniel e Apocalipse se complementam maravilhosamente. O primeiro deles tem uma impressionante profecia que diz quando ocorreria a purificação do santuário (juízo de selamento) e a restauração da verdade que havia sido lançada por terra pelo anticristo.

 

O QUE DEUS REVELOU

1 – Quando seria purificado o santuário? ...Ele me disse: Até _____________ e __________ _________ e _________ ; e o ______________ será purificado. (Dan. 8:12-14).

Um dia profético tem sido interpretado biblicamente como equivalente a um ano literal ou real; por exemplo: Eze. 4:6, 7 e Num. 14:34. Esta linguagem é familiar na Bíblia (Ex: Lev. 25:8). No entanto, aqui temos uma dificuldade que invalida esta interpretação (2.300 anos proféticos - que nos levaria para o ano de 1844, como muitos crêem) pois para chegarmos à esta contagem precisamos aplicar duas regras de interpretação, inconcebível em profecia, ou seja: primeiro transforma-se tardes e manhãs em dias (correto) e DEPOIS estes mesmos dias em anos (inconcebível)!

2 – A partir de que data começariam a contar-se as Setenta Semanas proféticos?  ...desde a saída da ___________ para ___________ e para _____________ Jerusalém... (Dan. 9:25).

Esdras, cap. 7, deixa documentado que o decreto de Artaxerxes, foi no ano 457 aC (a história mundial isto documenta). As setenta semanas (490 anos) contém a profecia dos 2300 dias e predizem acontecimentos que ocorreriam na Terra. Por isso foram dadas, entre outras coisas, como um selo de garantia da validade da profecia – sinais de que a profecia era correta – (Dan. 9:24), a fim de dar-nos confiança na parte da profecia que se cumpriria  nos Céus (purificação), onde nossos olhos não podem ver. Portanto, os 490 anos começaram no ano 457 aC e se estenderam até o ano 34 dC. Nesta data seria purificado o santuário celestial coma expulsão de satanás e seus anjos (Apoc 12) e a Verdade seria restaurada na Terra. As 2.300 tardes (dias) acontecem, portanto,  justamente na última semana de anos... No fim do capítulo 8 de Daniel vemos que o profeta ficou sem entender a profecia. Onze anos depois, após intensas orações, Deus envia o Seu anjo para esclarecer (com mais detalhes) Daniel. Mostra-lhe a profecia das Setenta Semanas e especifica, detalhadamente a última e mais importante semana: Os Dias do Messias!

 

O SELO DE GARANTIA QUE DEUS COLOCOU NA PROFECIA

3 – Como podemos comprovar historicamente que o selo de garantia dos 490 dias/anos (as 70 semanas) se cumpriu? Resp:____________________

As setentas semanas começam no ano 457 aC com o decreto de Artaxerxes. Ao cumprirem as 7 semanas de anos (49 anos) iniciais do período das 70 semanas, seriam reconstruídas as praças e os muros de Jerusalém. Isto ocorreu em 408 aC. A partir desta data haveria outras 62 semanas de anos (mais 434 anos) até que Se manifestasse o Messias (Dan. 9:24, última parte e vs.25). Isto nos leva até o ano 27 dC que é o 15º ano de Tibério César e o 780º ano de Roma. Nesse ano Jesus foi batizado no Jordão, ungido pelo Espírito Santo, e começou Seu ministério público como o Messias (que quer dizer: Ungido). Luc. 3:1-3, 21, 22; Atos 10:37, 38. A partir da pregação de João, o Batista, inicia-se a última semana de anos (7 anos = 2.520 dias) das 70. Nela se tiraria a vida do Messias (Dan. 9:26). Esta morte redentora que estabeleceria “firme aliança com muitos”, e que acabaria com os sacrifícios diários que eram símbolos do sacrifício que Jesus faria na cruz pelos nossos pecados, ocorreria na metade da semana de anos (Dan. 9:27), ou seja, três anos e meio depois do batismo. E foi exatamente isto o que ocorreu no ano 31 dC.

No ano 34 terminaria o tempo separado especialmente para os judeus (a parte terrestre da profecia que seria usada, inclusive, para a confirmação de que realmente a parte celestial – a purificação – ocorreria); (Dan. 9:24). Durante o cumprimento das 70 semanas Jesus havia enviado Seus discípulos “às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mat. 10:5, 6; a missão dos 70 discípulos – um discípulo para cada ano da profecia – também era essa em Luc. 10:1-20), mas profetizou que esse privilégio passaria aos gentios, isto é, aos não-judeus (Mat. 10:6, 6). Por isso é que, após este ano de 34, Paulo prega que havia chegado o tempo de voltar-se para os gentios (Atos 13:46). “E o povo de um príncipe, que há de vir” (os romanos) destruiria Jerusalém e seu santuário; isto se cumpriu com Tito, general romano, na guerra de 70 aD. As setentas semanas se cumpriram minuciosamente, colocando assim seu selo de autenticidade sobre o resto da profecia, que se cumpriria no Céu, longe de nossos olhos: o início do juízo de selamento, em 34.

Entenda as 2.300 tardes... Sete anos representam 2.520 dias e coincide com o ministério de Jesus, após o batismo! No entanto, Jesus não começou a ministrar imediatamente: Ficou 40 dias em jejum (e tentação) no deserto. E, antes mesmo disto, o seu primo João já estava pregando a vinda do Reino. Devido à uma lei mosaica, os homens só poderiam iniciar o seu ministério religioso após os 30 anos e por isto é que Jesus esperou o Seu 30º aniversário para solicitar o Seu batismo e mais; Batista era seis meses (180 dias) mais velho que Jesus e por isto preparou o Caminho... Façamos a conta: 180 dias + 40 dias = 220 dias. 2.520 dias (última semana) – 220 dias (Jesus não pregou neste período) = 2.300 dias para a purificação do santuário! Jesus venceu a morte na cruz e pode então subir aos céus e expulsar de lá o grande acusador (Apoc 12:7-11 - note que a passagem diz que venceram com o sangue do cordeiro que só foi derramado na cruz, no meio da última semana).

 

A PROFECIA FALA DO SANTUÁRIO QUE JOÃO VIU NO CÉU

4 – Que certeza temos de que o santuário que seria purificado em 34 d.C. é o santuário celestial? Heb. 9:23; Apoc 11:19. Eis que o véu do ______________  se __________ em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas... (Mat. 27:51, 52).

A taça da paciência de Deus para com a nação judaica foi derramada ao se findarem as 70 semanas com o martírio de Estevão em 34 dC (Atos 7:51 – leia o cap. todo). A validade do santuário terrestre terminou com a morte de Cristo na cruz. Este templo seria destruído pelos romanos (Dan. 9:26).

         Considerando que a purificação do santuário seria em 34 d.C., fica claro que nesta ocasião já não teria vigência o santuário terrestre. Por isso é que Paulo em Heb. 9:23, 24 diz: Era necessário, portanto, que as figuras das coisas que se acham nos céus se purificassem com tais sacrifícios, mas as próprias coisas celestiais, com sacrifícios a eles superiores.  Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus; (Heb. 9:23-24). Recordemos que na segunda parte de Apoc 11, onde se relatam os acontecimentos que precedem a segunda VINDA de Cristo (tempo do juízo de selamento), João nos diz: Abriu-se, então, o santuário de Deus, que se acha no céu, e foi vista a arca da Aliança no seu santuário... (Apoc 11:19).

         Recordemos que somente no dia da purificação do santuário (símbolo do juízo de selamento) o sumo sacerdote entrava no santíssimo. Evidentemente ali entrou Jesus em sua ascensão (31 d.C.) no entanto restavam alguns anos (3,5 anos) como tempo dado especialmente aos judeus... Findo este período, ficou evidente ao POVO de DEUS e à satanás (e seus anjos) que um inocente morrera pelos pecados do mundo. Neste ano acabou também o tempo dado à satanás O Apocalipse 12 nos relata que para que esta purificação celestial (expulsão de satanás dos céus) foi necessário uma batalha onde CRISTO prevaleceu sobre os Seus inimigos. Se a expulsão fosse feita antes da cruz, satanás poderia acusar injusta a decisão de DEUS.

5 – Como ficariam alguns aspectos proféticos do livro de Daniel até que chegasse o tempo do fim? Tu, porém, Daniel,__________ as palavras e ____________  o ___________ , até ao _________ __ _____ ; muitos o esquadrinharão, e o saber se multiplicará. (Dan. 12:4).

Como, até o dia de hoje, muitos distorcem a profecia das 2.300 tardes (convertendo tardes em dias e depois estes dias em anos) acabam tirando, inversamente, de 2.300 anos (?) as Setenta semanas e com isto chegam ao ano de 1844. Nos dias em que estava por vencer esta data, vendo que a profecia falava de uma purificação, muitos estudiosos da Bíblia devido às tradições teológicas de seus dias, pensaram que a purificação do santuário era o regresso de Jesus à Terra. Por isso experimentaram o desapontamento de 1844.

 

A PROFECIA A CERCA DO DESAPONTAMENTO

6 – Em Dan. 12 se ordenou “selar” a profecia “até o tempo do fim”. Como aparece no tempo do fim o livrinho profético que estava nas mãos de um anjo, e que ordem foi dada a João? (Apoc 10:1, 2, 8, 9, 10). Resp: Que tomasse o livro profético e o comesse. Em sua boca seria ___________ como o mel (a satisfação causada pela mensagem), mas _____________ ao seu estomago (desapontamento).

         Depois da descrição de uma solene cena de juramento em que se assinala que no tempo do fim se cumpriria o ministério da salvação de Deus (Apoc 10:3-7), diz-se ao apóstolo João, representando os crentes, que entre na cena profética. Aqui não diz que o remanescente fiel, representado por João, estivesse fazendo algo indevido. Foi Deus quem lhe ordenou fazê-lo e Ele ordenou por uma importante razão...

7 – Que declaração da profecia indica que o remanescente fiel realmente haveria de passar pela experiência do desapontamento? Tomei o livrinho da mão do anjo e o ____________ , e, na minha boca, era __________  como mel; quando, porém, o comi, o meu ______________  ficou _______________ . (Apoc 10:10).

A idéia de que Jesus haveria de voltar em 1844 lhes foi doce como o mel. Mas o desapontamento foi intensamente amargo. Este não ocorreu por falta de revelação, visto que a Santa Bíblia dizia que Jesus não é o Sacerdote do santuário da Terra, mas do celestial. (Heb. 8.1, 2, 4, 5; 9:23, 24).

8 – Há antecedentes bíblicos de algum outro desapontamento? Leia Luc. 24:13-35,44-48.

Sim, o desapontamento da cruz (Luc. 24:21). Embora Jesus lhes tivesse dito que morreria, eles não entenderam por que esperavam que Ele Se manifestasse com o poder que há de revelar em Sua segunda vinda. Por isso, na hora da crucifixão experimentaram um amargo desapontamento que desanimou aos insinceros, mas levou os crentes honestos a uma atitude de estudo e investigação. Há vários paralelos significativos entre a experiência dos discípulos e dos que sofreram o desapontamento de 1844. Os crentes que ficaram como remanescentes do desapontamento da cruz, (1) experimentaram um angustioso desapontamento que os deixou fora de sua congregação judia, (2) Jesus lhes abriu o entendimento para que compreendessem o que estava escrito (Luc. 24:44, 45), (3) Produziu-se um redescobrimento de verdades bíblicas lançadas por terra pelas tradições (Luc. 24:25-27), (4) Receberam ordem de pregar o que descobriram por revelação nas Sagradas Escrituras (Luc. 24:45-48).

9 – Que devia fazer o remanescente fiel que surgiria do desapontamento de 1844? ...É necessário que ainda _____________  a respeito de muitos _____________ , ___________ , ___________ e ________ . (Apoc 10:11). (O mesmo que se pediu aos crentes que ficaram como remanescentes depois do desapontamento da cruz).

         Assim como os apóstolos amavam a sua igreja judaica e não pensavam em deixá-la, os que passaram pelo desapontamento de 1844, não deveriam ter a intenção de formar uma nova Igreja. Suas congregações, porém, tinham muitos erros doutrinários introduzidos pelo anticristo durante a Idade Média, e necessitavam do conhecimento de algumas verdades bíblicas essenciais. Além disso, muitos insinceros se uniram ao movimento por temor do “juízo” que viria, convertendo-se em pesada carga. Assim, não poderiam pregar o Evangelho eterno de maneira pura e completa. Por isso Deus usou o estranho método que já havia utilizado com bons resultados na hora da cruz: (1) Permitiu que experimentassem o desapontamento. (2) Assim foram expulsos de suas diversas denominações, e ao se encontrarem fora, formaram tacitamente uma nova congregação*, com um denominador comum: Investigação sincera e ardente da Santa Bíblia em busca de luz e respostas celestiais. (3) Começaram a redescobriram as verdades lançadas por terra. (4) Estiveram em condições de cumprir a ordem de pregar (como o fizera a Igreja Primitiva) a todo o mundo, no entanto, deixou-se envolver por “revelações” não de DEUS, através de uma profetiza (EGW) e acabaram por desenvolverem doutrinas antibíblica tais como o Juízo Investigativo (onde o crente jamais tem a certeza de sua salvação, pois o seu caso ainda está por decidir-se, independente da cruz); mil anos nos céus e a própria data (1844) tornaram-se características desta NOVA denominação... Hoje, temos muitas outras denominações, porém todas elas surgiram por dissidências ou interesses pessoais.

* O erro de qualquer NOVA denominação é o de tornarem-se “concorrentes” da igreja que Jesus fundou (Mat 16:18). O que sempre foi necessário é restauração (à igreja do primeiro século) e nunca uma reforma!

10 – Que mensagem definida devia pregar o remanescente fiel?  Leia Apoc 14:6-12.

 

Os Adventistas do Sétimo Dia surgiu neste dias do desapontamento (1844) descrito em Apoc 10 e, com o princípio da restauração das verdades bíblicas que haviam sido lançadas por terra pelo anticristo – verdades estas que, ainda hoje, as diversas denominações existentes persistem em negar, seguindo a igreja mãe conforme Apoc 17 – deveriam ser a igreja da restauração, porém pouco a pouco se afastaram das Verdades, seguindo exclusivamente orientações da “profetiza” Ellen Gold White. Por isso não tenhas dúvida: o remanescente fiel que espera o retorno de Jesus é aquele que segue exclusivamente as doutrinas bíblicas. Hoje, os judeu-messiânicos estão mais próximos desta igreja apresentada no livro de Atos... Solicite-nos informações sobre esta igreja!

 

Minha Decisão: Sendo que estamos vivendo nos momentos solenes do juízo de selamento, entrego a minha vida ao Senhor, pedindo-Lhe que, como meu Advogado de defesa, interceda perante Deus Pai e me dê forças para fazer parte do Seu remanescente fiel...

 

Meu E-mail :                                                                        Data:      /       /           .

Saiba mais em:http://ocaminho.tripod.com

Dúvidas? eventusfinis@ig.com.br

 

OBSERVAÇÕES:

Confirme as Passagens Bíblicas com a Sua Bíblia.

@ - Responda e nos envie a Lição...  No fim de TODAS as Remessas, enviaremos um Certificado de Conclusão que pode ser impresso e colocado em uma moldura!

CLIC AQUI para uma versão de Impressão.

 

 

SAIR